As empresas começam paulatinamente a regressar à normalidade, e a redução de custos é especialmente relevante no período difícil que todos vamos enfrentar.

A gestão económica da frota da sua empresa é um aspeto certamente fundamental, e a opção pelo “elétrico” não pode deixar de ser ponderada. Este ano, temos uma novidade que veio reforçar a poupança na utilização de viaturas elétricas ou hibridas plug-in.

Efetivamente, existem consideráveis benefícios fiscais inerentes à aquisição de viaturas movidas a energia elétrica, face a veículos movidos a combustíveis fósseis. Relembre aqui todas as vantagens associadas à aquisição deste tipo de veículos.

Recentemente foi introduzida uma nova regra fiscal, que permite poupar ainda mais nos impostos quando utilizamos este tipo de viaturas mais “amigas do ambiente”. Agora, o IVA suportado na aquisição de eletricidade utilizada em viaturas elétricas ou hibridas plug-in passa a ser dedutível.

Ou seja, para além dos incentivos provenientes do Fundo Ambiental e da isenção do ISV e do IUC, é agora possível deduzir o IVA referente ao consumo de eletricidade, quando associadas aos veículos elétricos e híbridos plug-in.

Conheça aqui o caso da empresa da Sandra, e saiba como ela está a poupar quase 6 mil euros anuais!

A Sandra é gerente da empresa “Commerce, Lda.”, e renovou recentemente parte da frota da sua empresa, tendo optado por viaturas elétricas. Tal como a Sandra, mais 4 trabalhadores dos 17 que completam a empresa, utilizam veículos movidos a energia elétrica.

Entre as deslocações para a sede da empresa, e as visitas/reuniões com clientes, a Sandra faz cerca de 100kms diários. Uma vez que dispõe dessa possibilidade, aproveita para carregar a viatura de trabalho durante o dia, no seu escritório.

A Sandra contactou a UWU Solutions, no sentido de lhe explicar o benefício financeiro/fiscal adicional inerente ao uso da sua viatura no dia-a-dia! Ora vejamos…

O preço de carregamento, para um consumo de 15kWh, que equivale a 100kms percorridos, rondará os 2,00€ no posto de carregamento da empresa. Tendo como base os 2,00€ por cada 100kms percorridos durante os 22 dias mensais, vejamos os cálculos:

  • Viatura elétrica: 2,00€ x 22 dias x 11 meses = 484,00€
  • Viatura a gasóleo: 9,00€ x 22 dias x 11 meses = 1 694,00€

Considerando apenas o combustível consumido, teremos desde logo uma poupança de 1 210€.

Mas, para além disto, a empresa da Sandra poderá agora deduzir 23% do valor do respetivo custo, que corresponde ao IVA! Se considerarmos um custo mensal com os carregamentos de 484,00€, cerca de 90,50€ deste valor corresponde a IVA. Ora, este valor é totalmente dedutível, o que na realidade significa que o custo efetivo é de 393,50€.

Suponhamos agora, a título de exemplo, que todas as 5 viaturas elétricas da empresa da Sandra fazem a mesma média de quilómetros e de consumo por cada 100kms percorridos. Vejamos a poupança total, em comparação com a utilização de viaturas a gasóleo:

  • 5 viaturas elétricas: 5 x 2,00€ x 22 dias x 11 meses = 2 420,00€
  • 5 viaturas a gasóleo: 5 x 9,00€ x 22 dias x 11 meses = 8 470,00€
Também no IVA, temos uma diferença significativa. Conforme já referimos, é agora possível deduzir 100% do IVA suportado na eletricidade utilizada para carregar as viaturas da empresa. Por seu lado, no caso de viaturas a combustão, temos apenas a possibilidade de deduzir 50% do respetivo IVA no gasóleo, ao passo que na gasolina não existe qualquer possibilidade de dedução.

Considerando este efeito do IVA (possibilidade de dedução total ou parcial), temos então:

  • 5 viaturas elétricas:
    • 2 420,00€ ÷ 1,23 = 1 967,48€ (custo, considerando a dedução de 100% do IVA).
  • 5 viaturas a gasóleo:
    • 8 470,00€ ÷ 1,23 = 6 886,18€
    • Valor total do IVA = 1 583,82€
    • Valor do IVA não dedutível (50%) = 791,91€
    • Custo efetivo = 6 886,18€ + 791,91€ = 7 678,09€

Ou seja, podemos concluir que a opção pelas 5 viaturas elétricas permite à empresa da Sandra poupar um total anual de cerca de 5 710€ (7 678,09 - 1 967,48). Para além da óbvia poupança ambiental, claro!

Mas há mais: nas viaturas a combustão existe uma tributação adicional no IRC (denominada “tributação autónoma”), que na prática pode representar um custo adicional entre os 10% e os 45% do valor de aquisição e respetivos custos de utilização. Ora, para viaturas totalmente elétricas não se aplica esta tributação adicional (nas híbridas Plug-in existe essa tributação adicional, mas ainda assim significativamente menor em comparação com uma viatura a combustão).

Como vimos, a poupança fiscal é evidente, quando comparamos as alternativas em análise. Faça como a Sandra, e invista tempo nos cálculos para a sua empresa na hora de renovar a frota. Pode poupar euros, e simultaneamente o ambiente!


voupoupar.pt - Livros essenciais para grandes investidores!

Notícias em destaque:

Sabia que, caso viva em união de facto, pode optar por entregar a sua declaração de IRS em conjunto ou de forma separada? E que esta...

Continuar a ler
IRS 2018 - Declaração em conjunto ou de forma separada?

No âmbito da regulamentação do branqueamento de capitais, no próximo dia 19 de novembro entra em vigor a Lei nº 89/2017, que vem introduzir um novo regime sobre os beneficiários efetivos. Esta lei terá uma implicação direta sobre...

Continuar a ler
RCBE - Novas obrigações para as empresas

O Regime Fiscal de Apoio ao Investimento é um benefício fiscal que permite às empresas deduzir à coleta apurada uma percentagem dos investimentos realizados, nos exercícios de 2013 a 2017, em ativos tangíveis e intangíveis.

Continuar a ler
Regime Fiscal de Apoio ao Investimento (RFAI)

O Artur tem uma empresa e, resultante do processo produtivo da mesma, acumulou alguns materiais que considera resíduos e/ou sucata. Este material...

Continuar a ler
Aplicação do IVA na venda de sucata, resíduos e desperdícios
Visite o nosso arquivo de notícias