Recorda-se do Pedro e do Vasco? Os sócios da empresa Alfa Lda. que teve o melhor resultado liquido de sempre?

Pois bem, o Pedro e o Vasco já consideraram a opção das gratificações de balanço como solução para a distribuição dos prémios, mas agora pretendem saber como seria realizado o processo caso optassem pela distribuição de resultados, com o intuito de obterem uma análise comparativa com o processo de gratificações de balanço.

Assim, de modo a ajudarmos o Pedro e o Vasco a obter esta informação, disponibilizamos aqui a comparação entre as gratificações de balanço e a distribuição de resultados.

Alguma dúvida não hesite em contactar-nos.

Não raras vezes estes conceitos tendem a causar alguma confusão, pelo que importa esclarecer que se tratam de conceitos distintos.

A diferença fundamental entre “Gratificações de Balanço” e “Distribuição de Resultados” reside no facto de, ao contrário da primeira hipótese, a distribuição de lucros apenas pode ser feita para os sócios. Por seu lado, os resultados distribuídos (ou dividendos) têm por base o Resultado Líquido (isto é, após IRC) da empresa, podendo ser atribuídos a sócios individuais (pessoas) ou a sócios coletivos (outras empresas). Por fim, em termos de IRS os dividendos são tributados na categoria E, enquanto que as Gratificações de Balanço estão enquadradas na categoria A.

Assim, no caso da empresa Alfa Lda., apenas o Pedro e o Vasco poderiam ser premiados, de acordo com a sua participação na empresa. Neste cenário, o resultado distribuído pelo Pedro e pelo Vasco ficaria sujeito a tributação à taxa de 28%, aquando o seu pagamento. Existiria ainda a possibilidade de englobamento perante estes rendimentos, isto é, os sócios considerarem estes rendimentos em conjunto com os restantes, para efeitos de tributação no seu IRS (de realçar que, no cenário de englobamento, apenas é considerado o montante de 50% dos dividendos para efeitos de tributação).

Se considerarmos que o Pedro pretende ser tributado sem englobamento, e que o Vasco pretende optar pelo englobamento temos:

  1. Sem Englobamento
    1. Foram distribuídos ao Pedro 20.000€, dos quais 5.600€ ficaram retidos para IRS (taxa 28%); como ele não opta pelo englobamento, o respetivo montante não será considerado para a sua tributação global em IRS.
  2. Com Englobamento
    1. Foram distribuídos ao Vasco 20.000€, dos quais 5.600€ ficaram retidos para IRS (taxa 28%); neste caso, tendo em conta a opção pelo englobamento, na declaração de IRS o Vasco irá declarar metade do valor distribuído, ou seja 10.000€, que serão adicionados aos seus restantes rendimentos, sendo tributado de acordo com o escalão de IRS respetivo, deduzindo por seu lado a retenção efetuada (5.600€) ao imposto devido.


Notícias em destaque:

No âmbito da regulamentação do branqueamento de capitais, no próximo dia 19 de novembro entra em vigor a Lei nº 89/2017, que vem introduzir um novo regime sobre os beneficiários efetivos. Esta lei terá uma implicação direta sobre...

Continuar a ler
RCBE - Novas obrigações para as empresas

O trabalho desenvolvido pelo casal teve muito sucesso, e decorrente da crescente necessidade de resposta no mercado, em janeiro de 2017, o Manuel e a Cristina aumentaram a sua equipa. Contrataram a tempo indeterminado...

Continuar a ler
Case Study: Benefício fiscal sobre a criação líquida de emprego

Os indicadores de atividade mostram os aspetos operacionais da atividade da empresa, sobretudo relativamente à rapidez da empresa em conseguir pagar as suas obrigações financeiras em...

Continuar a ler
[Vídeo 05] Análise de Rácios - Indicadores de Atividade

Se é ou faz intenções de ser Trabalhador Independente é importante que saiba as suas obrigações perante a Segurança Social. Nomeadamente, o escalão em que ficará inserido e os valores das contribuições. Por norma, o Trabalhador Independente está sujeito ao...

Continuar a Ler
O Trabalhador Independente perante a Segurança Social
Visite o nosso arquivo de notícias