Até ao próximo dia 4 de novembro de 2017 as atuais ações ao portador terão de ser convertidas em nominativas. A partir dessa data verifica-se que:

  • É proibida a transmissão de ações ao portador; e
  • Fica suspenso o direito a participar em distribuição de resultados associado a ações ao portador.

As alterações aprovadas pela Lei n.º 15/2017 têm efetivamente grande relevância para as entidades emitentes de valores mobiliários ao portador, bem como para os titulares dos mesmos, não esquecendo quem prestou garantias associadas a valores mobiliários ao portador. Recordando, o diploma referido previu:

  • A proibição expressa, a partir da sua entrada em vigor (4 de maio de 2017), da emissão de valores mobiliários ao portador, passando a ser unicamente possível emitir valores mobiliários nominativos;
  • A conversão de valores mobiliários ao portador já existentes em nominativos no prazo de 6 meses, ou seja, até ao próximo dia 4 de novembro de 2017.

O processo de conversão das ações passa por um conjunto de procedimentos administrativos e legais, que terão por base o seguinte:

1 - Publicação de anúncio a informar os titulares das ações tituladas ao portador acerca do processo de conversão, o qual terá que explicitar o seguinte:

    • O prazo para que os títulos sejam apresentados ao emitente para efeitos da sua substituição ou alteração das respetivas menções;
    • A identificação dos valores mobiliários em causa;
    • A fonte normativa em que assenta a decisão;
    • A data da deliberação das alterações ao contrato de sociedade e demais documentos relativos à conversão dos valores mobiliários ao portador em nominativos e indicação do órgão deliberativo;
    • A data prevista para a apresentação do pedido de inscrição das alterações ao contrato de sociedade e aos demais atos sujeitos a registo no registo comercial;
    • As consequências da não conversão dos valores mobiliários durante o período transitório previstas no n.º 2 do artigo 2.º da Lei n.º 15/2017, de 3 de maio, e nos n.os 1 e 2 do artigo 7.º do presente decreto–lei.

2 - Terminado o prazo para entrega das ações à sociedade, exposto no anúncio, o Órgão de Administração deve deliberar sobre as alterações ao contrato de sociedade, bem como relativamente aos demais documentos relativos às condições de emissão dos valores mobiliários, necessários para a conversão dos mesmos ao portador em nominativos, e proceder ao registo dessas alterações na Conservatória do registo comercial.

3 - Substituição dos títulos ou alteração das menções deles constantes.

Caso necessite de esclarecimentos adicionais sobre este tema, não hesite em nos contactar.



Notícias em destaque:

Se pretende investir no capital social de uma ‘’Startup’’, saiba que o Programa Semente lhe permite usufruir de um benefício fiscal em IRS, até 25% do valor do investimento, com...

Continuar a ler
Vai investir numa startup! – Sabia que pode ter um benefício fiscal?

O valor patrimonial dos seus prédios, habitacionais e rurais, está sujeito ao Imposto Adicional sobre Imóveis(AIMI). No entanto, com a opção...

Continuar a ler
AIMI 2019: Alterações e tributação conjunta

Na semana passada conhecemos a empresa “Case SA”, assim como a vontade dos seus sócios, Tiago e João, de autonomizar as diferentes áreas operacionais, estruturando o seu negócio numa lógica...

Continuar a Ler
CASE, S.A. - O início de um grupo empresarial [PARTE 02]

O apoio extraordinário à redução da atividade económica dos gerentes sofreu novamente alterações, que de certa forma tendem a abranger mais situações.

Continuar a ler
Apoio aos gerentes: conhece as últimas alterações?
Visite o nosso arquivo de notícias