Atualmente, vivemos uma fase de incerteza para todas as empresas. Por este motivo, é essencial tirar partido dos apoios e benefícios, de modo a assegurar que a sua empresa resiste à crise económica que se avizinha.

Uma das áreas mais críticas é a manutenção dos postos de trabalho, pois grande parte das empresas viu a sua atividade substancialmente reduzida. Posto isto, a UWU Solutions quer ajudá-lo a tomar as melhores decisões, para que possa garantir a continuidade da sua empresa. Assim, temos:

  • O layoff simplificado (irá vigorar até julho, nas mesmas condições já conhecidas);
  • O incentivo financeiro extraordinário à normalização da atividade empresarial;
  • A partir de agosto, inclusive, entra em vigor um novo regime de layoff: o apoio da retoma progressiva

Desta feita, vamos debruçarmo-nos no incentivo financeiro extraordinário à normalização da atividade empresarial. Paralelamente ao layoff, são muitas as empresas que já aguardam por aquele apoio adicional. Como tal, é essencial perceber quem pode usufruir do mesmo:

1º) as empresas que tenham beneficiado do regime de layoff simplificado;

2º) e que não acedam ao apoio de retoma progressiva (a medida que vem substituir o layoff simplificado).

Vejamos o caso da Maria, sócia-gerente da agência de publicidade “Já Conhecem Lda.”, e verifiquemos como a Maria pode poupar mais de 7 000€.

A Maria contactou a UWU Solutions, e foi desde logo possível confirmar que cumpre as regras anteriormente mencionadas. Adicionalmente, sabemos que os quatro colaboradores da empresa da Maria estiveram em layoff, tendo voltado ao trabalho em junho. Assim, a Maria pode tomar uma de três opções:

  • a) Receber 635,00€ por cada um dos 4 colaboradores que estiveram em layoff;
  • b) Receber 1.270€ (635€ x2) por cada colaborador que esteve em layoff;
  • c) Inclui a opção b) + criação líquida de emprego.

Analisemos em detalhe cada opção.

Neste caso, a empresa irá receber um montante total de 2 540€ (635€ x 4), duma só vez.

Ao escolher opção b), a empresa irá receber 5 080€ (1 270€ x 4), em duas ou três tranches ao longo de 6 meses. Em simultâneo, tem redução de 50 % de contribuições para a Segurança Social nos primeiros 3 meses.

A empresa da Maria tem, então, 4 colaboradores:

  • O João e o Pedro, cujo ordenado bruto é de 1 000€;
  • A Marta e a Ana, que auferem 1 200€ mensais.

Ora, se a empresa suporta o custo de 475€/mês de TSU (237,50€ cada) do João e do Pedro, com a redução de 50%, passaria esse custo para 237,50€ no total. O mesmo acontece com a Marta e a Ana. Mensalmente, é pago o montante de 570€ sobre as duas colaboradoras. Por isso, com a redução passaria a 285€.

Vejamos os cálculos:

1 000€ x 23,75% = 237,50€ x 2 colaboradores = 475€ x 50% = 237,50€

1 200€ x 23,75% = 285,00€ x 2 colaboradores = 570€ x 50% = 285€

A poupança seria de 1.567,50€, ao longo de 3 meses.

237,50€ + 285€ = 522,50€ x 3 meses = 1.567,50€.

Durante a conceção deste apoio, a empresa da Maria contratou a Sara, com um vencimento mensal bruto de 1 000€.

Isto é, tendo em conta que os 4 colaboradores se mantiveram, a “Já conhecem, Lda.” aumentou o seu número de colaboradores, em comparação com os três meses homólogos. Como tal, nestas condições, ficará isenta de pagamento de contribuições para a Segurança Social, pelo período de dois meses e na proporção do aumento de postos de trabalho, ou seja, em 25%. Terá apenas de manter o contrato com a Sara por um período de seis meses.

Durante 2 meses, a poupança total será de 641,25€.

Vejamos os cálculos:

1 000€ x 23,75% = 237,50€ x 3 colaboradores = 712,50€ x 25% = 178,13€;

1 200€ x 23,75% = 285,00€ x 2 colaboradores = 570€ x 25% = 142,50€;

178,13€ + 142,50€ = 320,63€ x 2 meses = 641,25€.


Podemos agora analisar, qual das opções é mais vantajosa:

Em suma, a empresa da Maria poderá alcançar uma poupança notória, se optar pela opção c), de cerca de 7 288,75€. Basta para tal, que siga as dicas da UWU Solutions!

Se pretender receber um apoio monetário relevante como o da Maria, entre em contacto connosco. Iremos ajudá-lo.

Como podemos ver, ao analisar todas as opções chegamos à solução mais vantajosa. Faça como a Maria, e descubra como retomar a sua atividade normal.



voupoupar.pt - Livros essenciais para grandes investidores!

Notícias em destaque:

As pequenas e médias empresas (PME) podem deduzir à sua coleta do IRC uma percentagem dos lucros retidos e reinvestidos, em ativos elegíveis, no prazo de dois anos...

Continuar a ler
Dedução por Lucros Retidos e Reinvestidos (DLRR)

A proposta inicial de Orçamento de Estado para 2019 previa um aumento considerável da tributação especial sobre as viaturas da sua empresa...

Continuar a ler
Qual a tributação especial sobre a sua viatura em 2019?

O Orçamento do Estado para 2020 propõe uma redução indireta na tributação adicional sobre os veículos da sua empresa. Mas como...

Continuar a ler
OE 2020 - O que pode mudar na tributação da sua frota?

Este ano possível obter uma isenção total ou parcial desta obrigação fiscal, diretamente relacionadas com o tipo de atividade…

Continuar a ler
Pagamento antecipado de IRC! A sua empresa está dispensada?
Visite o nosso arquivo de notícias